quinta-feira, 30 de janeiro de 2014

Como Queimar Gordura com Calor ?!




Antes de mais o que é a gordura e qual o seu papel?
A Gordura é um nutriente energético, além de que garante funções essenciais no nosso corpo.
E quando digo essenciais estou a falar do transporte das vitaminas A,D,E,K (VIT. Lipossolúveis), falo do facto de ser um dos constituintes das membranas das paredes celulares, além de ajudar a prevenir as deficiências de crescimento.
Portanto mesmo sendo “persona non grata”, o seu lugar no corpo humano estará sempre garantido. Não podemos simplesmente erradica-la do corpo nem da alimentação.
O que teremos que fazer é uma “triagem” ao tipo de gordura a ingerir. Pois, e que tipos de gordura existem?
Ok, nós ingerimos gordura animal com a alimentação claro, essa gordura inclui uma combinação de ácidos gordos. Alguns desses ácidos gordos são produzidos pelo nosso corpo, no entanto uma parte deles não são sintetizados pelo nosso organismo sendo chamados de ácidos gordos essenciais. São esses ditos ácidos gordos que se classificam de 3 formas:
Saturadas onde as moléculas não conseguem estabelecer mais ligações pois não têm ligações duplas, são formados por triglicéridos cujos ácidos gordos são do tipo saturado ou seja os seus átomos de carbono ligam-se ao maior número possível de átomos de hidrogénio. Todos os alimentos de origem vegetal são pobres em gordura saturada. Exceto o óleo de coco e o óleo de palma, contudo mesmo sendo gordura saturada ambos contém um tipo especial de ácidos gordos chamados de cadeia média por possuírem entre 8 e 12 átomos de carbono e que não causam aumento do colesterol no sangue. Normalmente este tipo de gordura está no estado sólido à temperatura ambiente, excepto claro o leite e todos os seus derivados. Na maior parte das vezes são provenientes de cortes mais gordos de carnes de mamíferos como a vaca e a cabra, mais do que na carne de porco. Também o encontramos no leite gordo, nas manteigas, nas natas, na manteiga de cacau, queijos curados, enchidos bacon, toucinho.
A gordura saturada contribui para o armazenamento e produção de energia com tendência para se depositar nos tecidos do corpo, mais concretamente por baixo da pele o que contribui para a obesidade, e nas artérias o que poderá provocar arteriosclerose.
Monoinsaturadas são gorduras que à temperatura ambiente estão no estado líquido. Encontram-se no azeite em grandes quantidades, óleos vegetais como o óleo de amendoim, nas oleaginosas como amendoim, noz, amêndoa, avelã, abacate.
Ajudam a diminuir os níveis de colesterol “mau” no sangue ou LDL, sem reduzir o HDL ou “bom” colesterol. São gorduras consideradas estáveis, ou seja podem ser ligeiramente aquecidas, além de que protegem as gorduras polinsaturadas da oxidação.
Polinsaturadas são as gorduras que apresentam mais do que uma ligação dupla nas suas moléculas. Encontram-se maioritariamente em óleos vegetais tais como o óleo de girassol, milho, margarinas, soja, nas aves e na gordura do peixe. Este tipo de gordura consumida regularmente tem efeitos muito positivos ao nível da redução da LDL e triglicerídeos sanguíneos, além de diminuir a pressão arterial.
É importante também salientar a diferença entre gorduras Saturadas e Insaturadas sendo que o elevado consumo das saturadas abundante por exemplo em carne vermelha, enchidos, produtos de charcutaria tem um impacto bastante negativo na saúde cardiovascular e em alguns tipos de cancro. Por outro lado o consumo de gordura insaturada que encontramos nos óleos vegetais, azeite, na gordura do peixe e algumas aves, oleaginosas, possuem uma função antioxidante protetora e anti-inflamatória.
Como já vos tinha também dito lá atrás é importante fazer uma triagem em relação às gorduras pois de uma forma ou de outra trata-se disso mesmo, gordura. Gordura essa que por cada grama estamos perante 9kcal, calorias que são mais facilmente convertidas em gordura corporal que as provenientes da proteína ou dos hidratos.
Finalmente, e de longe menos importante é necessário estarem atentos às gorduras vegetais hidrogenadas ou como são conhecidas, gorduras trans. Algumas carnes e o próprio leite já têm uma pequena quantidade desta gordura, mas o que me preocupa são as usadas pela indústria.
Foi por volta de 1950 que esta gordura começou a ser utilizada na alimentação em larga escala. Acreditava-se que por ser de origem vegetal traria menos riscos à saúde. Pois é, enganaram-se, os estudos posteriores descobriram que é ainda pior que a gordura saturada.
Quando as gorduras vegetais como o azeite e alguns óleos passam pelo processo de hidrogenação ou são aquecidas as suas moléculas são partidas e a cadeia reformula-se fazendo todo o estrago nas artérias, além de aumentar os níveis de LDL diminui também o HDL, elevando os níveis de arteriosclerose, infarto e acidente vascular cerebral.
A minha preocupação tem a ver com o facto de esta gordura ser utilizada para dar mais sabor a certos alimentos assim como aumentar a sua durabilidade. Por outro lado temo ser difícil para a maior parte de vocês perceberem qual a quantidade existente em cada alimento o que fará com que se ingiram quantidades muito acima do recomendável.
Assim como fará com que um dos meus próximos artigos seja a correta interpretação dos rótulos. Vale a pena lembrar que bolachas, pipocas de micro-ondas, chocolates, gelados, produtos de pastelaria, fast-food e a maior parte dos alimentos com margarina na composição são portadores desta gordura.

Como já viram todos temos gordura em diferentes locais do corpo. Gordura essa que representa uma fonte praticamente inesgotável de energia para esforços continuados de média ou baixa intensidade.
As zonas mais importantes onde esta gordura se acumula são na zona subcutânea, sob a pele.
A camada mais superficial tem o nome de epiderme, imediatamente por baixo desta encontra-se a derme que é preenchida por uma grande quantidade de folículos pilosos, glândulas sudoríparas, vasos sanguíneos e tecido conjuntivo.
A próxima camada de tecido é a primeira de 3 camadas de gordura subcutânea. Esta camada superior de gordura foi descrita como “câmaras superiores de células de gordura” que são separadas por tecido conjuntivo.
A partir destas câmaras de células de gordura sobressaem pequenas projeções para a derme, formando pequenas irregularidades de gordura subcutânea dando a aparência de “furos” a que chamamos de celulite.

Por outro lado temos também acumulação de gordura na zona visceral, nas camadas mais profundas do abdómen em redor dos órgãos. Têm células maiores, maior resistência à insulina multiplicam-se em menor número mas muito mais ativas e prejudiciais ao organismo. Normalmente a sua predominância favorece o tipo de corpo em forma de maçã, facto esse que é mais frequente nos homens.
Estas gorduras têm como função a produção de ATP,energia utilizada para as diferentes ações do quotidiano assim como para a atividade física. A degradação dos ácidos gordos livres nessas ações provoca a formação de acetil-CoA (molécula com um papel chave no metabolismo celular).
A forma mais importante deste processo denomina-se como B-oxidação dos ácidos gordos que são provenientes da gordura de reserva que na sua maioria encontra-se sob a forma de triglicéridos no tecido adiposo, no fígado e no tecido muscular.
Os triglicéridos são estéreis de 3 ácidos gordos ligados a 1 álcool de 3 carbonos, o glicerol. Com o auxílio de um processo bioquímico chamado lipólise que ocorre nos tecidos onde existem triglicéridos de reserva e que desfaz todas estas ligações são libertados para o sangue glicerol assim como ácidos gordos.
O glicerol tem uma estrutura glucídica e vai ser catabolizado na via glicolítica onde entrará numa reação intermediária.
Todos os ácidos gordos do sangue atravessam as membranas celulares onde posteriormente se vão ligar ao coenzima-A ficando assim bioquimicamente ativos para serem metabolizados.
Esses ácidos gordos entram assim num processo no qual lhes vão sendo retirados sucessivamente fragmentos de 2 carbonos da extremidade a que está ligado o grupo Co-A.
Esta clivagem dá-se pelo carbono B e por esse motivo a todo este processo se dá o nome de beta-oxidação. O fragmento que foi retirado é o chamado acetil-Co-A que resulta da ligação de Co-A a 1 ácido de 2 carbonos.
O ácido gordo que restou passa a ser um novo ácido gordo mas com menos 2 carbonos que se vai unir a a uma nova molécula de Co-A fazendo com que todo o processo se repita até que passe de uma molécula com 18 carbonos para 4 carbonos e 2 últimas moléculas de acetil-CoA, dando origem a um processo denominado de B-oxidação dos ácidos gordos que ocorre no interior das mitocôndrias, que consiste em retirar aos ácidos gordos 2 carbonos de cada vez. Por esta razão o nosso organismo apenas utiliza os ácidos gordos cujo o número de carbono seja par, para a obtenção de ATP´s.
O passo mais crítico na oxidação destes ácidos gordos é a passagem do citoplasma para a mitocôndria.
Durante a atividade física uma pessoa que seja sedentária apenas consome de 3 a 5% dos ácidos gordos que entram no sarcoplasma ou citoplasma muscular.
O treino aeróbio aumenta o consumo de gordura durante o esforço, com a correspondente poupança de glicogénio pois em resposta direta ao trabalho aeróbio aumenta o número e o volume das mitocôndrias.
Após o treino apenas serão oxidados de 8 a 12% dos ácidos gordos que penetrem no músculo.
A travessia da membrana mitocondrial pelos ácidos gordos está na dependência da enzima carnitina-transferase e é por isto que se tem utilizado a suplementação com carnitina com objetivos ergogénicos.
É um processo um tanto complexo mas efetivamente não existe uma outra forma de se obter ATP´s a partir das gorduras. O simples facto de aquecerem bastante determinada zona do corpo não vai fazer com que a gordura talvez derreta e saia pelos poros!!
Claro que isso não vai acontecer, a única coisa que vai sair pelos poros é o suor que não passa de uma defesa do corpo a uma agressão. Sendo que o corpo só arrefece com a evaporação do suor, toda a transpiração que cai para o chão nas aulas de indoor, nas saunas, nos fatos impermeáveis com que algumas pessoas treinam não passa de água deitada fora. Estão apenas a desidratar o corpo.
As gorduras só se degradam através do processo que vos mostrei o que quer dizer que o catabolismo das mesmas é "obrigatoriamente" aeróbio. Pois, esta é a parte realmente importante, aeróbio significa que determinada ação necessita de oxigénio para funcionar (Barata, 1997).
E não estou a falar de oxigénio quente nem frio especificamente. Portanto quando vos aliciarem para tratamentos miraculosos, rápidos, não invasivos e que envolva mantas, calor, sudação, talvez seja melhor investi-lo na bolsa que de certeza ganham mais.
Como queimar gordura com calor?
 Não queimam.

2 comentários:

  1. Verdade, esses tratamentos milagrosos só nos emagrecem a carteira. Eu fiz há alguns anos um tratamento desses durante 2 meses. Não perdi 1kg sequer. Entretanto desisti optei pelo ginásio e um bom acompanhamento nutricional e isso fez-me perder quase 20kg que até hoje não voltei a recuperar. Não existem milagres, existe determinação e força de vontade.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada pelo teu testemunho, continua no bom caminho

      Eliminar